quinta-feira, 5 de abril de 2012

"O Mundo da Fantasia" (1954)

(There´s No Business Like Show Business) De Walter Lang, Com Ethel Merman, Donald O´Connor, Marilyn Monroe, Dan Dailey, Johnnie Ray e Mitzi Gaynor, EUA - Musical - Cor - Fox - 1954.  

Extravagante musical da Fox dirigido por Walter Lang (1896-1972) que traz grandioso elenco, incluindo cantores de sucesso e ótimas canções de Irving Berlin (1888-1989). Colossal, o filme conta a história da família Donahue a partir de sua ascensão no teatro de Vaudeville, suas glórias diante das cortinas e seus conflitos por de trás delas. Foi um dos primeiros musicais filmados em Cinemascope e fotografado magistralmente em Color DeLuxe. Os excelentes números musicais, coreografados sob os cuidados de Robert Alton (1906-1957), se transformaram em uma verdadeira ode as cores, principalmente o último deles e que leva o título original do filme; "There´s No Business Like Show Business". Merman, Gaynor e O´Connor estão sensacionais e Marilyn Monroe, que já ocupava o lugar de estrela máxima da Fox, segundo consta, não queria participar do filme, uma vez que seu personagem é praticamente um coadjuvante no centro da trama. A atriz, no entanto, teria mudado de ideia quando lhe foi prometido o papel "da garota" na versão cinematográfica da peça de Billy Wilder (1906-2002) O Pecado Mora ao Lado (1955). Empolgante e espetacular, o filme, apesar de ter custado aos cofres da Fox mais de U$ 5 milhões de dólares e apresentar cantores consagrados e no ápice como Ethel Merman (1908-1984) e Johnnie Ray (1927-1990), foi um fracasso nas bilheterias, se comparado a outros musicais lançados nos áureos anos 50. Visto hoje, é certo afirmar que O Mundo da Fantasia continua agradando, tanto aos fãs de Marilyn Monroe, quanto aos fãs dos bons e extravagantes musicais de outrora.

✩✩✩

Os 5 Donahues no inicio da carreira
E o triunfo dos bons tempos
Enquanto Katy Donahue é a única realizada com sua profissão 
Os Donahue surpreendem-se quando Steve decide se tornar padre
e Tim se perde diante do amor não correspondido de Vicky
Vicky que em outrora era empregada do clube...
Se torna a estrela
There´s no Business Like Show Business
Marilyn Monroe canta Lazy
A beleza estonteante de Mitzi Gaynor 
Cartaz original do filme

13 comentários :

  1. Lindas cores e números bem extravagantes, incluindo o da mãe e a filha cantando sobre tatuagens (acho até bonitinho). A dança com as estátuas é como o Singin' in the Rain de Donald O'Connor, loucamente apaixonado por Marilyn.
    Muito bom! Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Olá, Jefferson
    Vale lembrar que Johnnie Ray foi um cantor que fez enorme sucesso no ínicio da década de 50. Ray, que era surdo, interpretava suas canções de modo exagerado lançando uma moda que no Brasil foi seguida por Orlando Dias e outros. Um dos maiores sucessos de Johnnie Ray foi Just Walking in the Rain (1956), gravado em versão por Francisco Carlos; outros sucessos de Ray foram Cry, Don't Blame me e Such a Night. Como a trilha musical de O Mundo da Fantasia é toda de Irving Berlin, os fãs de Ray na época ficaram decepcionados por não poder ouvi-lo cantar seus sucessos no filme. Bela oportunidade para ver a talentosa Mitsy Gaynor cantando e dançando.
    Um abraço do Darci

    ResponderExcluir
  3. Oi, Jefferson!

    Pra lhe ser sincera, não gosto muito desse filme como um todo (eu abaixaria ainda um pouco a nota dele...). Não é dos que eu veria de novo; mas não dá pra o deixarmos de lado, especialmente porque é um dos poucos em que a dama do teatro musical daqueles tempos - Ethel Merman - dá as caras. Nele acho a loura Mitzi Gaynor mais interessante que a Marilyn, que dá um par romântico meio inverossímil com o Donald O'Connor (a quem eu adoro). Lembro também do "Alexander's ragtime band", cantado over and over ao longo do filme, em números longos que não primam pelo interesse, explicitando como a música está ali enchendo linguiça. Pelo jeito me lembro especialmente dos aspectos negativos do filme... :D Acho que hoje ele se sustenta mais como documento de época que por sua qualidade artística: bom uso do Cinemascope e Technicolor e a belter Ethel Merman eternizando o "There's no business like showbusiness", um dos seus números notórios da Broadway.

    Abss e inté.
    Dani

    ResponderExcluir
  4. Darci, quanto lhe devo por essa aula de cinema que me deu, alias que nos deu? EU NUNCA imaginava que Ray era surdo e agora sim entendo o porque realmente de suas interpretações exageradas. Nossa estou muito grato por suas informações,eu só sabia que ele era muito famoso, como cantor, mas os demais fatos que me disse, novidades, te agradeço mais uma vez. Valeu.

    Dani, entendo o seu lado, realmente você tem razão em alguns aspectos, o filme é um pouco lento dependendo de como o assiste, os números musicais são longos, porém o filme em si foi feito para propagar uma série de coisas que estavam no auge em sua época de lançamento como o cinemascope, o novo sistema de cor concorrente do TECHNICOLOR,o BY DELUXE,Ray, Berlin e etc, por essas e outras hoje o filme realmente envelheceu um pouco, é como eu disse,Marilyn apesar de ser coadjuvante garante o sucesso dele até hoje afinal se ela não estivesse na produção, você acha que esse não seria como milhões de outros filmes que não nos alcançaram e jamais iriamos conhecer? enfim, Agradeço sua participação,sempre bem vinda,

    Grande abraço amigos..

    ResponderExcluir
  5. Ahh Jefferson! Eu sou suspeita pra falar de qualquer filme com a Marilyn Monroe. Este em especial por conta da trilha sonora. Quando ela aparece cantando: After You Get What You Want You Don't Want It... eu fico arrepiada. Ela era uma artista completa! E o filme? Não poderia ser melhor!

    Quanto ao filme Mädchen in Uniform, é mais um clássico do cinema alemão, que eu tenho certeza que você vai gostar. (Não só este de 1931 como também o remake de 1958 com Romy Scchneider e Lilli Palmer).

    E você está certíssimo sobre meu gosto HAHAHA tenho muita admiração pelo cinema alemão e o sueco. O cinema europeu sempre me encantou!

    ResponderExcluir
  6. Ola Jefferson,Que ótima idéia postares este filme.Adoro musicais deste estilo,pois acho que quando acabamos de assistir,ficamos despreocupados,alegres e com a mente tranquila {Nada para pensar ou perturbar a consciência,Entendes?]O elenco è muito bom e também a musica,portanto,Perfeito.Consegui por fim postar "tico-tico',gostaria da tua opinião.Grande abraço querido amigo.

    ResponderExcluir
  7. Sou apaixonada pelas cores do cinema technicolor. Esses espetáculos já não cabem mais nos filmes de hoje, foi uma era realmente ímpar, de beleza, de novidades pra época que nós hoje temos o privilégio de apreciar e amar. Esse filme não vi ainda, porque musical não está entre meus gêneros favoritos, salvo poucos como a noviça rebelde e cantando na chuva, mas pretendo vê-lo

    ResponderExcluir
  8. A Cia. redord, e lider por excelencia, de musicais foi a Metro.
    O que não quer dizer que outras também não seguiram esta linha de peliculas, como a Warner e a própria Fox, com sua Cor de Luxe belissima e muito diferente do tecnicolor normal da Metro e do warnecolor, também muito belo da Warner Bros.

    Assisti a centenas de musicais. Porém, por infelicidade minha não vi este e nem Cantando na Chuva.

    Acompanhei muito pouco a carreira de Lang, tendo visto dele apenas uns tres filmes, dos quais está O Rei e Eu.

    Porém, um filme onde a Marilin Monroe está, tem de ser visto.
    Ademais o elenco da fita é extraordinário, destacando Donald O'Connor, o ótimo Dan Dailey, do delicioso Viva Las Vegas, e a linda Mitzi Gaynor.

    Só quem perdeu fui em em não te-lo visto. Mas ainda tenho esperanças de assisti-lo.
    jurandir_lima@bol.com.br

    ResponderExcluir
  9. Vou baixar. Depois de seu post, me senti excitado a assistir esse filme!

    ResponderExcluir
  10. Grande Jeff! ótima postagem, embora confesse que não sou muito fã de musicais. Tenho este filme em DVD, gravado no TCM, e o que mais encanta de fato nesta fita é a presença cativante de Marilyn, além de excelentes números. Mas os musicais estão entre os últimos de minha preferência de cinéfilo.

    Grande abraço

    Paulo Néry

    ResponderExcluir
  11. Não conheço o filme, mas só pela presença de Marilyn Monroe já fiquei curioso. Abraços.

    ResponderExcluir
  12. Belo resgate Jefferson e palmas para o Darci pelo excelente adendo.

    A Fox nesta época tinha musicais extravagantes. Donald O´Connor e Monroe estão um charme. Procurar baixar porque este eu não tenho.

    Belo post
    Forte abraço.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...